sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Sardas e rugas

Aconteceu num dia em que eu estava com minha filha no zoológico.
Vi uma avó com uma garotinha cujo rosto era salpicado de sardas vermelhas e brilhantes.
As crianças estavam esperando numa fila para que um artista pintasse suas faces com patinhas de tigre.
- Você tem tantas sardas que ele não vai ter onde pintar - um menino gritou na fila.
Sem graça, a menininha abaixou a cabeça.
A avó ajoelhou-se perto dela e disse:
- Adoro suas sardas!
- Mas eu detesto! A garotinha replicou.
- Quando eu era menina, sempre quis ter sardas, disse a senhora, passando o dedo pela face da neta. Sardas são tão bonitas!
A menina levantou o rosto:
- São mesmo?
- Claro - disse a avó. - Quer ver?
- Diga-me uma coisa mais bonita que sardas!
A garotinha, olhando para o rosto sorridente da senhora, respondeu suavemente:
- Rugas!
Aquele momento me ensinou para sempre que, se olharmos para os outros com os olhos do amor, não veremos o que possam ter de feio, apenas o que têm de bonito.

Copiei.

Leia Mais

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

As sem razões do amor

Para quem gosta de poesia, divido esta, de um poeta que gosto muito.
Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.
A: Carlos Drummond de Andrade.

Leia Mais

Comigo agora

  ©Template Fragmentos (Textos, Poesias, etc) by Silmara Layouts