domingo, 22 de maio de 2011

As formiguinhas e a pipoca


Uma vez li em algum lugar: “O sol todos os dias nos dá um belo espetáculo ao amanhecer, e, no entanto os expectadores ainda estão dormindo”. Era mais ou menos assim. Justo neste dia estava eu com esta frase na memória. Resolvi então (pelo menos naquele instante) observar melhor o que acontecia a minha volta.
Quase sempre passava ali às pressas, olhando tudo por alto. Hoje, não, ainda perdida em pensamentos, sentei-me no banco da pracinha e vi aquele formigueiro. Passei a observar o trabalho das formiguinhas que teimavam em carregar uma pipoca. Em comparação ao tamanho dos pequenos insetos, a pipoca parecia gigantesca. Mas com tremendo esforço, lá iam elas.
A uma tentativa minha de empurrar a pipoca, a maioria das formiguinhas debandaram. Apenas três ou quatro persistiram em ficar defendendo o que provavelmente seria a refeição. Impressionante a maneira com que as outras voltaram apressadas, eu diria até que, enfrentando um suposto perigo. E logo estavam novamente a rodear a pipoca.
Perdi a noção do tempo que fiquei ali a observar aquela cena. Mais tinha ainda alguma coisa para fazer. Levantei-me e retomei a caminhada, a meditar...
Como as formiguinhas – “pausar sim, desistir jamais”. O que fariam elas se conseguisse levar a pipoca para dentro do formigueiro, eu não sei. Nem sei ao menos se a pipoca passaria pelo minúsculo espaço.
Sei que ficou em mim a lição que elas passaram. “É valido lutar por aquilo que nos interessa”.
A: Ligia.

0 comentários:

Comigo agora

  ©Template Fragmentos (Textos, Poesias, etc) by Silmara Layouts