quarta-feira, 23 de março de 2011

Mar

Toalhas verdes, alva espuma,
Areia branca sem fim,
E as ondas, que, de uma a uma,
Vêm quebrar-se ao pé de mim.
Longe, um barco leve, leve,
Cortando o espelho do mar,
Com velas brancas de neve,
Que o vento enfuna a cantar.
E o barco avança ligeiro
Num garbo de quem conduz
Gozo plácido e fagueiro
Das águas a flux.
Vem de outras terras e praias,
Que eu não conheço,
e nem sei onde assentam suas raias,
Qual seu nome e sua lei.
No largo bojo profundo,
Que lindas cousas não trazem!
Vem das plagas de outro mundo?
É mensageiro de paz?
Uma canção, doce e bela,
Voz de marinheiros, vem,
Numa toada singela,
Que afaga o peito e faz bem.
E eu sonho ignotos países;
Céus de esplêndido fulgor;
Vergéis de ricos matizes;
Rios de ingente rumor;
Cidades, palácios, quintas;
Sons de outra língua; outra voz;
Decorações de áureas tintas,
E outros povos como nós...
E a visão prende-se a vista...
E eu sonho - crescer... Crescer...
E, olhos de sábio e de artista,
Por todo o mundo estender.
A: Zalina Rolim.

2 comentários:

Silmara PF 25 de março de 2011 16:18  

Oi, amiga tudo bem?
Vim te desejar um execelente final de semana.
Fique com Deus.

Ligia 25 de março de 2011 16:31  

Obrigada, um ótimo fim de semana também para ti e os teus. Bjs.

Comigo agora

  ©Template Fragmentos (Textos, Poesias, etc) by Silmara Layouts