sábado, 22 de agosto de 2009

Saudades

Saudades
Saudade, eu te juro, é verdade! É tristeza sem fim, um vazio...
Presença distante, um olhar suplicante, um mundo sombrio!
Saudade é a esperança sofrida, um coração já sem vida que a nostalgia amortalha... Bem maior do que a dor, a saudade é como a flor que o orvalho da noite agasalha...
Saudade é isto, não me iludo.
Um vento frio, um olhar perdido, distante e mudo... Uma sombra que a alma acaricia...
Saudade é como o vento, que rasga o espaço e deixa seu sopro por traço...
É como a noite surgindo sempre após o dia...
Saudade é mesmo um simples beijo, uma lembrança fagueira, uma criança trigueira, um soluço no peito represado, um grito na garganta sufocado...
Saudade é um vestido cor de rosa, um laço de fita no cabelo que se agita, uma angústia dolorosa.
Saudade é muitas vezes a flor que nasce de um botão, o mar bravio, a imensidão, a noite fria, uma canção, e até os versos que te fazia...
Saudade é a tarde fugindo, é a noite surgindo, trazendo a dor que consome...
Saudade é a lua saindo, do fundo do mar emergindo, riscando em prata teu nome! Perguntas-me o que é saudade...
Saudade, eu te digo: É como a dor inclemente, só sabe mesmo é quem sente...
Copiado de algum lugar.

0 comentários:

Comigo agora

  ©Template Fragmentos (Textos, Poesias, etc) by Silmara Layouts