terça-feira, 21 de abril de 2009

Seja sim, seja não...

Eu não sabia que tinha vida,
Tinha magia,
Tudo o que eu sentia.
Os teus olhos me disseram,
O que não querias dizer,
E os meus se emudeceram,
Por não saber responder...
Se era amor, não... Eu não diria,
Algo bem próximo, talvez,
Assim como flor e espinho,
Pássaros a repousar no ninho,
Folha levada pelo vento...
Dia que me oferece felicidade,
Noite em que morro de saudade,
Sozinha.
Na mente uma música que fala,
De um amor... Passado,
Na boca, a lembrança daquele beijo...
Roubado.
Ah! Teus olhos,
Ainda insistem em ver
Bem no fundo da minh’alma
O que insisto em esconder...
Talvez enxergue esta dor,
Chamando-me á realidade,
Não desisto de ir buscar,
Essa tal felicidade.
Meus pensamentos às vezes tão dispersos,
Conseguiram se entrosar
Nesses meus versos.
Meu interior me dirá em segredo,
Se viverei ou morrerei de amor.
Que seja sim,
Que seja não,
A palavra é sua... Coração.
A: Ligia.

0 comentários:

Comigo agora

  ©Template Fragmentos (Textos, Poesias, etc) by Silmara Layouts